Núcleo de Roteiro do Sesi promove Pitching com 9 alunos neste sábado

Sesi Londrina e a Kinopus promovem neste sábado, dia 01/12, das 14h às 17h, um Pitching para apresentação dos roteiros produzidos esse ano pelos alunos do Núcleo de Dramaturgia Audiovisual. A apresentação dos roteiros será realizada no Centro Cultural Sesi/AML (R. Maestro Egídio Camargo do Amaral, 130 – Centro, em frente à Concha Acústica). O evento é aberto a todos os interessados e tem entrada franca, sujeita à lotação do espaço.

Para 2018, foram selecionados 9 roteiros – os roteiros serão avaliados por uma banca externa formada pelos roteiristas Jaqueline M. Souza e William Biagioli.
Confira a lista dos 9 roteiros selecionados para o Pitching de 2018:

14h “Chora não, fia”, de Juliana Pereira
14h20 “Sem Manejdoura”, de Renato Forin Jr.
14h40 Série de TV “Jongui na Caixinha” – “O Grande Dragão – Episódio 01”, de Gustavo Nakao
15h “Guardião da Cabana”, de Fabiane Kitagawa
15h20 “Obrigado, volte sempre!”, de Felipe Rost
15h40 “Raí não mora mais Aqui”, de Guilherme de Martino
16h “Nos seus Olhos”, de Luana Rodrigues
16h20 “Essa Gente”, de Marília Diogo
16h40 “Post Morten”, de Mateus Reginato

Sobre Jaqueline M. Souza
Formada em Cinema pela Faculdade de Artes do Paraná e atua como produtora, oficineira, roteirista e consultora. Produziu e roteirizou diversos materiais, publicidade, web content, videoclipes e curtas-metragens. Contribuiu com textos, curadoria ou mediações para mostras como Trilogia Flamenca,  Ciclo Vicent Price, Tati por Inteiro, Mostra de Cinema Contemporâneo realizadas pelo Sesc Paraná.  Uma das fundadoras da Tertúlia Narrativa e sua editora-chefe. Seus trabalhos mais recentes incluem o roteiro do documentário “A fome não tem Classe” selecionado para a 2º Mostra Sesc de Cinema e  o roteiro de longa-metragem Incubo,  contemplado no Edital de Desenvolvimento de Roteiros – Novos Roteiristas-2017 do Ministério da Cultura e selecionado para o Laboratório Novas Histórias 2018. Foi membro do comitê de seleção do Cabíria – Prêmio de Roteiro em sua primeira e segunda edição e também membro do Jurí Oficial do Concurso de Longa-metragem do FRAPA (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre ) em 2017. Atualmente, trabalha no roteiro adaptado dos quadrinhos Magra de Ruim de Sirlanney Nogueira e contemplado no edital Prodav 05/2016 da Ancine.  Em 2018, foi uma das consultoras do Curitiba_lab, laboratório de projetos do Festival Olhar de Cinema, em Curitiba, fez a orientação de roteiros dos projetos de TCC da Escola Vila das Artes e ministrou curso de Cena e Diálogos no Centro de Narrativas Audiovisual do Porto Iracema, em Fortaleza.

Sobre William Biagioli
Produtor, roteirista e diretor residente em Curitiba, Paraná. Possui graduação em Publicidade com ênfase em criação pelo Mackenzie-SP e especialização em cinema pela FAP-PR. É Professor de Roteiro no curso de Cinema do Centro Europeu. No festival Olhar de Cinema fez a produção e a curadoria das retrospectivas de Stanley Kubrick, Jacques Tati e de Luiz Sergio Person, além das curadorias da mostra Olhares Clássicos nos dois primeiros anos. Além disso, realizou a retrospectiva do cineasta francês Jean-Pierre Melville no ano de 2017 com o apoio do Institut Française. Roteirizou e dirigiu os curtas-metragens Curitiba: a maior e melhor cidade do mundo (documentário) e O Estacionamento, premiado nos festivais do Rio e no Curta Cinema de 2016. Seus filmes foram exibidos em festivais como: Entreveus Belfort, Cartagena, Shorts Mexico, Curta Brasília, Mumbai Shorts, Kinoforum além de uma exibição especial dos curtas do diretor na Cinemateca Francesa em junho de 2017.

Sobre o Núcleo de Dramaturgia Audiovisual

Desde 2013, o Sesi Londrina promove um curso de introdução a roteiro para Cinema a partir do Núcleo de Dramaturgia Audiovisual. A partir da 3ª turma, em 2014, o curso passou a ser coordenado pelo cineasta Rodrigo Grota, que conduziu as turmas de 2015, 2017 e 2018. A cada ano, ao longo de 4 meses, 25 alunos participam de aulas teóricas e práticas e produzem um roteiro de curta-metragem de gênero ficcional. Alguns dos roteiros produzidos pelos alunos do Núcleo já foram filmados e premiados em festivais, caso do curta-metragem Junie (2015), de Gustavo Nakao.

Rodrigo Grota é diretor de cinema e sócio da produtora Kinopus. Dirigiu 16 projetos, incluindo os curtas da Trilogia do Esquecimento, os longas Leste Oeste e Isto (não) é um Assalto, além da série Super Família. Seus filmes conquistaram mais de 60 prêmios, contam com exibições em 15 países – incluindo sessões especiais na Cinemateca Francesa e no Japão -, e também foram analisados em trabalhos acadêmicos, com destaque para um livro lançado pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Formado em Jornalismo, Grota é especialista em Filosofia, Mestre e Doutorando em Literatura. Fundador da Kinoarte, instituto que coordenou por 10 anos, é também professor e curador de MostrasEm 2018, idealizou e coordena o Dramátika – Núcleo de Cinedramaturgia. Desde 2014, coordena também o Núcleo de Dramaturgia Audiovisual do Sesi. Nos últimos 15 anos ministrou cursos teóricos e práticos, com destaque para oficinas de Direção, Roteiro, Montagem, História do Cinema e Interpretação para Cinema.

Advertisements

Sesi Londrina e Kinopus promovem LAB Doc com o cineasta William Biagioli

O Sesi Londrina e a Kinopus promovem nesta sexta, dia 30/11, das 18h30 às 21h30, a primeira edição do LAB Doc do Núcleo de Dramaturgia Audiovisual. O laboratório será realizado com a presença do diretor, roteirista e produtor William Biagioli, que irá ministrar uma palestra sobre a criação de narrativas em documentários. O evento será realizado na Sala Multi-Uso do Centro Cultural Sesi/AML (R. Maestro Egídio Camargo do Amaral, 130 – Centro, em frente à Concha Acústica), é aberto a todos os interessados e tem entrada franca, sujeita à lotação do espaço: 45 pessoas.

Sobre William Biagioli
Produtor, roteirista e diretor residente em Curitiba, Paraná. Possui graduação em Publicidade com ênfase em criação pelo Mackenzie-SP e especialização em cinema pela FAP-PR. É Professor de Roteiro no curso de Cinema do Centro Europeu. No festival Olhar de Cinema fez a produção e a curadoria das retrospectivas de Stanley Kubrick, Jacques Tati e de Luiz Sergio Person, além das curadorias da mostra Olhares Clássicos nos dois primeiros anos. Além disso, realizou a retrospectiva do cineasta francês Jean-Pierre Melville no ano de 2017 com o apoio do Institut Française. Roteirizou e dirigiu os curtas-metragens Curitiba: a maior e melhor cidade do mundo (documentário) e O Estacionamento, premiado nos festivais do Rio e no Curta Cinema de 2016. Seus filmes foram exibidos em festivais como: Entreveus Belfort, Cartagena, Shorts Mexico, Curta Brasília, Mumbai Shorts, Kinoforum além de uma exibição especial dos curtas do diretor na Cinemateca Francesa em junho de 2017.

Sobre o Núcleo de Dramaturgia Audiovisual
Desde 2013, o Sesi Londrina promove um curso de introdução a roteiro para Cinema a partir do Núcleo de Dramaturgia Audiovisual. A partir da 3ª turma, em 2014, o curso passou a ser coordenado pelo cineasta Rodrigo Grota, que conduziu as turmas de 2015, 2017 e 2018. A cada ano, ao longo de 4 meses, 25 alunos participam de aulas teóricas e práticas e produzem um roteiro de curta-metragem de gênero ficcional. Alguns dos roteiros produzidos pelos alunos do Núcleo já foram filmados e premiados em festivais, caso do curta-metragem Junie (2015), de Gustavo Nakao.

Pitching 2018 – Núcleo de Dramaturgia Audiovisual
Para 2018, foram selecionados 9 roteiros que serão apresentados ao público neste sábado, dia 01/12, das 14h às 17h, no Anfiteatro do Centro Cultural Sesi/AML – os roteiros serão avaliados por uma banca externa formada pelos roteiristas Jaqueline M. Souza e William Biagioli. O Pitching é aberto a todos os interessados e tem entrada franca, sujeita à lotação do espaço.
Confira a lista dos 9 roteiros selecionados para o Pitching de 2018:

14h “Chora não, fia”, de Juliana Pereira
14h20 “Sem Manejdoura”, de Renato Forin Jr.
14h40 Série de TV “Jongui na Caixinha” – “O Grande Dragão – Episódio 01”, de Gustavo Nakao
15h “Guardião da Cabana”, de Fabiane Kitagawa
15h20 “Obrigado, volte sempre!”, de Felipe Rost
15h40 “Raí não mora mais Aqui”, de Guilherme de Martino
16h “Nos seus Olhos”, de Luana Rodrigues
16h20 “Essa Gente”, de Marília Diogo
16h40 “Post Morten”, de Mateus Reginato

Kinopus recebe inscrições de estagiários para o projeto Dramátika

A produtora Kinopus recebe até a próxima segunda-feira, dia 22/10, currículos de interessados em participar do Núcleo de CineDramaturgia Dramátika, uma iniciativa da produtora em parceria com o Sesi Cultura Paraná. O Dramátika prevê a produção de uma peça e de um longa-metragem de 75 minutos aproximadamente com data de estreia em Londrina para os dias 07/12 (versão teatro) e 08/12 (versão cinema). Os interessados devem manifestar interesse nas áreas de cenografia, iluminação e/ou figurino, e enviar um email com seu currículo para info@kinopus.com.br, deixando claro (por ordem de preferência) as suas áreas de interesse. O resultado será divulgado na terça, dia 23/10, na página da Kinopus em suas redes sociais (Facebook e Instagram). Os alunos selecionados terão direito a um certificado de 60 horas a ser emitido pelo Sesi Londrina, e irão participar das filmagens do projeto nos dias 03, 05, 06 e 07/11, além da encenação teatral nos dias 06 e 07/12. Para esse projeto serão abertas 12 vagas – não é obrigatório ter experiência comprovada na área para se inscrever. A única restrição é a idade mínima de 18 anos para cada interessado.

Sobre o Dramátika
Idealizado e coordenado pelo cineasta Rodrigo Grota, Dramátika é um Núcleo Criativo que tem como objetivo investigar as relações entre cinema e teatro em uma linguagem não-realista: 17 atores integram o projeto desde março, tendo realizado 5 leituras dramáticas e participado dos ensaios de 5 cenas escritas e dirigidas pelo coordenador do projeto, Rodrigo Grota, e outros 4 diretores convidados: Guilherme Peraro, Jackeline Seglin, Marina Stuchi e Renato Forin Jr. O projeto ainda conta com direção de fotografia e iluminação teatral de Anderson Craveiro, direção de arte e cenografia de Julio Vida, figurinos de Thais Blanco, produção executiva de Guilherme Peraro, direção de produção de Rafaela Pifer, assistência de Coordenação Geral de Laura Lopes, montagem de João Vítor Moreno, entre outros profissionais que devem integrar o projeto até a sua fase final em dezembro.

Sobre a Kinopus
Criado em abril de 2004, a Kinopus já produziu 2 longas, 2 séries de TV, e uma série de filmes de média e curta-metragem, conquistando mais de 60 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Coordenada pelos cineastas Guilherme Peraro e Rodrigo Grota, a produtora conta ainda com projetos de formação (Oficinas Kinopus), exibição (Sessão Kinopus, Mostras) e preservação. Em 2019, a Kinopus irá rodar o seu 3º longa-metragem: o filme sci-fi Passagem Secreta.

Sessão Kinopus exibe Persona, de Ingmar Bergman

Sessão Kinopus exibe nesta terça-feira, dia 3 de julho de 2018, a partir das 19h, o filme Persona (1966, 85 min), uma das obras mais aclamadas do realizador sueco Ingmar Bergman (1918-2007). A SK integra o cineclube da produtora Kinopus, será realizada no Centro Cultural Sesi – Associação Médica De Londrina (Praça 1º de Maio, 130, Centro – em frente à Concha Acústica), e conta com entrada franca – os ingressos podem ser retirados com 1 hora de antecedência no local. A classificação indicativa é para maiores de 18 anos. Logo após a sessão haverá um debate com o pesquisador de cinema da UEL, Gustavo Ramos de Souza, e o crítico de cinema e músico João Vitor Moreno – a mediação será do cineasta Rodrigo Grota.

Sobre Bergman
Nascido a 14 de julho de 1918 em Uppsala, Ernst Ingmar Bergman é autor de mais de 40 filmes ao longo de sete décadas, tendo conquistado os principais prêmios da história do cinema, incluindo o Oscar e as principais premiações nos festivais de Cannes, Berlim e Veneza. Com forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, Bergman realizou filmes centrados em temas como a ausência de Deus, a falência das relações afetivas, e os demônios internos dos seus personagens.

Parceiro de atores como Liv Ullmann, Erland Josephson, Max von Sydow, Bibi Andersson, Gunnar Björnstrand, Harriet Andersson e Ingrid Thulin, construiu uma das obras mais sólidas da história do cinema, com destaque para a impecável construção visual dos seus filmes, em parte realizados com o habitual diretor de fotografia Sven Nykvist. Sobre a sua parceria com os atores, disse Bergman em 1969: “Sem a força ou a iniciativa dos atores, sem o estímulo, a imaginação, a clareza intelectual, a competência dos atores que trabalham comigo, eu seria incapaz de realizar os roteiros que escrevo sozinho. Eles se apoderam desses roteiros e fazem deles sua propriedade”.

Exibido pela primeira vez na Suécia a 18 de outubro de 1966, Persona conquistou reconhecimento internacional. Inspirado na peça ‘A Mais Forte”, do dramaturgo August Strindberg, a trama mostra a atriz Elizabeth Vogler (Liv Ullmann) em crise – ela deixa de falar durante uma representação teatral de Electra. Seu mutismo em relação aos que a rodeiam é total, sendo então internada numa clínica. Não está doente, simplesmente optou pelo silêncio. Alma (Bibi Andersson), uma jovem enfermeira, fica encarregada de tratar dela. Quando, a conselho médico, as duas se isolam em uma ilha, passam a desenvolver uma intimidade e cumplicidade crescentes. Com isso se estabelece uma constante troca de identidades.

Bergman sobre Persona
As citações foram extraídas do livro “Imagens”, de Ingmar Bergman, obra lançada no Brasil em 1996 com tradução de Alexandre Pastor pela editora Martins Fontes:

“Que o cinema seja o meio por que me expresso, é absolutamente natural. Fiz-me compreender numa língua que passava ao lado da palavra de que carecia, da música que não sabia tocar, da pintura que me deixava indiferente. Subitamente tive a possibilidade de me corresponder com o mundo numa linguagem que literalmente fala da alma para a alma, em termos que, quase de maneira voluptuosa, escapam ao controle do intelecto.” (pag. 49)

“O fotógrafo Sven Nykvist e eu, originariamente, tínhamos pensado numa iluminação convencional para ambas as atrizes, Liv Ullmann e Bibi Andersson, mas não deu bom resultado. Concordamos então em pôr uma metade do rosto numa escuridão total, não havendo sequer uma luz de compensação. Depois, na parte final do monólogo, foi um passo natural combinar as duas metades iluminadas dos rostos, fazendo com que se integrassem numa só face. A maior parte das pessoas tem uma metade do rosto mais fotogênica que a outra. As fotografias meio iluminadas dos rostos de Liv e de Bibi que ligamos uma à outra mostram as suas metades feias. Quando recebi do laboratório o filme com esta duplicação, pedi a Liv e a Bibi que viessem ao estúdio de montagem. Surpresa, Bibi exclamou: ‘Como você está esquisita, Liv!’. E Liv por sua vez disse: ‘Mas essa cara é a sua, Bibi. É você que tem um ar esquisito!’ Quer dizer, ambas negaram espontaneamente as metades menos bonitas de seus rostos.” (pag. 61)

“Quando lemos o texto de Persona, talvez dê a impressão de ser uma improvisação. Mas não. Esse texto foi rigorosamente concebido. Apesar disso, nunca repeti tantas cenas em minha vida como nesse filme. E quando digo que repeti cenas, não quero dizer filmagens de uma e mesma cena, no mesmo dia, mas sim de novas filmagens por não ter ficado satisfeito com as seqüências reveladas de cada dia.” (pag. 64)

Sessão Kinopus é uma iniciativa independente da produtora Kinopus Audiovisual: o projeto conta com apoio do Sesi Cultura Paraná, e curadoria e produção dos cineastas Guilherme Peraro Rodrigo Grota. Criada em abril de 2015, a sessão tem como objetivo trazer a Londrina filmes que não entraram no circuito comercial, além de promover a exibição e reflexão sobre a produção local. Todas as sessões contam com entrada franca. A próxima SK, a edição n. 31, será no dia 21 de agosto, quando será exibido o filme Beduíno (2016, 75 min), do realizador brasileiro Júlio Bressane.

Núcleo de Cinedramaturgia DRAMÁTIKA apresenta ‘Apenas o fim do Mundo’

Escrito pelo francês Jean-Luc Lagarce em 1990, Apenas o Fim do Mundoé uma dramaturgia que se vale de um encontro familiar mal resolvido para abordar problemáticas cada vez mais frequentes na sociedade atual, como a falta de escuta, a percepção diante do outro, a solidão e a dificuldade de comunicação. Tudo isso em meio à situação extrema da morte. A adaptação para o cinema veio com o longa-metragem do premiado diretor canadense Xavier Dolan, com estreia no Brasil em 2016. Agora, a convite do Núcleo de Cinedramaturgia Dramátika, o texto recebe leitura cênica com direção de Renato Forin Jr. As duas produções – teatral e fílmica –, além de um bate-papo sobre a obra de Lagarce, serão apresentadas nos dias 29 e 30 de junho no Centro Cultural Sesi/AML, com entrada franca.

Longe de casa há mais de uma década, o misterioso Luiz vai ao encontro da mãe, da irmã, do irmão e da cunhada para informá-los que irá morrer em breve. No entanto, o roteiro idealizado pelo protagonista para a reunião familiar sai de seu controle assim que as mágoas, as memórias e as brigas do passado ressurgem de maneira implacável. Na leitura dramática, a casa da família é uma redoma fria, envolta por luzes de led e mobiliada com cadeiras giratórias, onde Luiz penosamente tenta, em vão, se reconhecer. A voz do personagem, inaudível aos próprios parentes, é amplificada por microfone.

“O tempo, a distância e as diferenças parecem ter cavado um abismo entre Luiz e sua família. Este não reconhecimento no outro, a falta de empatia, o sentir-se estrangeiro na própria casa, são metaforizados na leitura por um jogo de contrastes entre o barulho e o silêncio, a presença e a ausência, o riso e o lamento, o tecnológico e o artesanal”, explica o diretor Renato Forin Jr. A leitura traz no elenco os atores Dora Pires (A Mãe), Luana Rodrigues (Suzana), Murilo de Andrade (Antônio), Nathan Sinval (Luiz) e Simone Andrade (Catarina). A contrarregragem é de Gustavo Garcia, a assistência de cenografia é de Julio Vida e a operação técnica é de Laís Iracema Fernandes.

Um dos textos mais incensados da dramaturgia contemporânea francesa, “Apenas o fim do mundo” foi a primeira obra de Jean-Luc Lagarce publicada no Brasil. Em 2006, recebeu a primeira montagem no país pela Cia Brasileira de Teatro, com direção de Marcio Abreu e tradução de Giovana Soar. Esta versão foi lançada pela coleção Palco Sur Scène, publicada pela Imprensa Oficial de São Paulo. Já a produção cinematográfica de Xavier Dolan ganhou o Prêmio do Júri no Festival de Cannes de 2016. Com grande elenco, o filme traz Gaspard Ulliel (Louis), Marion Cotillard (Catherine), Léa Seydoux (Suzanne), Vincent Cassel (Antoine) e Nathalie Baye (A Mãe).

Na sexta-feira, dia 29 de junho, às 19 horas, o Centro Cultural Sesi/AML apresenta a leitura dramática. Já no sábado (30), a partir das 14 horas, haverá a exibição do filme, com um debate na sequência sobre as relações entre cinema e teatro. As atividades têm entrada gratuita.

Núcleo de Cinedramaturgia Dramátika

Com o objetivo de investigar as relações entre cinema, literatura e teatro, o Dramátika – iniciativa do Centro Cultural Sesi/AML em parceria com a produtora Kinopus –  é uma realização do Sesi Cultura Paraná por meio do programa Núcleos Criativos com coordenação do cineasta Rodrigo Grota. A proposta é promover um espaço de reflexão e criação por meio da dramaturgia base para as linguagens.

O projeto se divide em duas etapas: leitura dramática de textos teatrais e exibição de filmes, com ensaios, apresentação e gravação de esquetes (cenas curtas). Ao final do projeto, os cinco diretores convidados para conduzir os encontros irão apresentar esquetes criadas a partir do diálogo entre teatro e cinema. 

Serviço:
4º Encontro do Núcleo de Cinedramaturgia Dramátika no Sesi/AML
Leitura dramática da peça “Apenas o Fim do Mundo”, de Jean-Luc Lagarce, com direção de Renato Forin Jr.
Data: Sexta-feira, dia 29 de junho
Hora: às 19h

Exibição do filme “É apenas o fim do mundo”, de Jean-Luc Lagarce, com direção de Xavier Dolan, e bate-papo
Data: Sábado, dia 30 de junho
Hora: às 14h
Classificação: 16 anos
Valor: gratuito (retirar ingresso no local com 1 hora de antecedência)
Local: Centro Cultural Sesi/AML
Endereço: Rua Maestro Egídio Camargo do Amaral, 130 – Centro
Observação: sujeito a lotação

Sessão Kinopus exibe 4 curtas londrinenses nesta terça, dia 28

Sessão Kinopus exibe nessa terça, dia 28 de novembro de 2017, quatro curtas londrinenses que estrearam recentemente na cidade: Na Hora de Fazer Não Chorou (doc, 20 min, 2017), de Lucas Meyer, Lucas Matheus, Jessica Doarte e Beatriz de Brito; Gir Ag Ka Nhinhir – Crianças Brincando (doc, 15 min, 2017), de Jaqueline Kómóg Marcolino; Quando o Verde Toca o Azul (fic, 16 min, 2016), de Letícia Nascimento; e A Caça (fic, 13 min, 2017), de Rafael Ceribelli. A 25ª edição do projeto Sessão Kinopus será realizada a partir das 19h, no Centro Cultural Sesi – Associação Médica De Londrina, e conta com entrada franca – os ingressos podem ser retirados com 1 hora de antecedência no local. A classificação indicativa é para maiores de 14 anos. Logo após a sessão haverá um debate com os realizadores presentes.

Confira abaixo a sinopse e ficha técnica de cada um dos curtas:

NA HORA DE FAZER NÃO CHOROU

Sinopse
A violência obstétrica se materializa nos corpos e nas vidas de uma a cada quatro mulheres brasileiras. Procedimentos naturalizados por profissionais de saúde ferem a autonomia, o direito de escolha e a dignidade daquelas que têm, dentro de si, todo o necessário para gerar e parir outro ser. Londrina, Paraná. Áurea, Maíra, Renata e Quézia. Quatro mulheres. Quatro histórias. Marcas e cicatrizes diferentes. Duas cesarianas. Três abortos. Quatro partos naturais. Dores que ultrapassam os limites do que é fisiológico. Uma doula e uma pesquisadora de assistência ao parto corroboram os relatos. Independe de idade, etnia ou classe social. Saúde pública e privada. Uma das mais cruéis violências de gênero, sem análogo para homens. Este documentário busca escancarar uma realidade que violenta mulheres pelo simples fato de serem mulheres.
Ficha Técnica
Direção: Lucas Meyer, Lucas Matheus, Jessica Doarte, Beatriz de Brito
Empresa Produtora: Plava
Roteiro: Lucas Meyer, Lucas Matheus, Jessica Doarte, Beatriz de Brito
Produção Executiva: Luciano Albuquerque
Produção: Lucas Meyer, Lucas Matheus, Jessica Doarte, Beatriz de Brito
Fotografia: Lucas Meyer
Montagem: Lucas Meyer
Som: Lucas Meyer
Pós Produção: Adler Kernkamp
Elenco: Maíra Saraiva, Áurea Francisca, Renata Santana, Quezia Nascimento, Ana Carolina Franzon – Pesquisadora de Assistência ao Parto e Jéssica Vasconcellos – Doula
Premiação
Troféu Udihara de Melhor Curta do Júri Popular da Competitiva Londrinense no 19º Festival Kinoarte de Cinema

GIR AG KA NHINHIR – CRIANÇAS BRINCANDO

Sinopse
Duas criança kaingang da Terra Indígena Apucaraninha vão pescar no rio, assam os peixes, comem e voltam pra casa. Um curta-metragem realizado inteiramente por indígenas Kaingang.
Elenco
Léi Rãg Tánh Deolindo, Shaiane Kurã Deolindo e crianças da comunidade Kaingang.
Ficha Técnica
Direção:  Jaqueline Kómóg Marcolino
Empresa Produtora: Centro de Memória e Cultura Kaingang
Roteiro: Centro de Memória e Cultura Kaingang
Produção: Centro de Memória e Cultura Kaingang
Fotografia: Douglas Noján Candido
Arte: Jaqueline Kómóg Marcolino
Som: Douglas Noján Candido
Edição: Douglas Noján Candido
Música: Músicas interpretas pelos Kaingangs da Terra Indígena Apucaraninha.
Sobre a Diretora
Jaqueline Kómóg Marcolino e Douglas Noján Candido são dois indígenas Kaingang da Terra Indígena Apucaraninha, localizada dentro dos limites da cidade de Tamarana e Londrina, norte do Paraná. Fazem parte e coordenam junto com oito indígenas o “Centro de Memória e Cultura Kaingang” (CMCK), localizado dentro da Terra Indígena e que busca registrar, guardar, pensar e fortalecer a memória da cultura indígena da comunidade Kaingang. O CMCK também conta com a colaboração de três pesquisadores não-indígenas na coordenação de suas ações.

QUANDO O VERDE TOCA O AZUL

Sinopse
Repentina: que se disse ou fez súbita; imprevista; rápida; momentânea. Laura vive em um casulo imaginário. Até eclodir.
Elenco
Luciana Caminoto, Eduardo Lopes Touché, Alan Ferreira, Edimara Alves, Alessandra Pajolla e Juliana Monteiro
Ficha Técnica
Roteiro e Direção: Letícia Nascimento
Produção: Bruno Gehring
Direção de Fotografia: Guilherme Gerais
Direção de Arte: Camila Melara Alcantara
Figurino: Thaina Oliveira Gonçalves
Make Up: Evelise Chaiben
Som direto: Artur Ianckievicz
Trilha Sonora: Lucas Dias Baptista
Montagem: Letícia Nascimento e Artur Ianckievicz
Projeto Gráfico: Glauber Pessusqui
Coloração: Vinícius Leite
Gaffer: Luiz Rossi
Assistentes de Direção: Marcos Savae (Co-preparação de elenco) e João Mussato
Assistentes de Produção: Raquel Sant’Anna e Nabila Haddad
Assistentes de Fotografia: Arthur Ribeiro (Still) e Elder Maxwhite
Assistentes de Arte: Higor Meíja e Natália Tardin
Assistente de Figurino: Layse Moraes
Patrocínio: Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic) via Prefeitura Municipal de Londrina
A CAÇA

Sinopse
Um pai leva seu filho para caçar pela primeira vez em uma das fazendas da família. A caça traz a tona memórias obscuras.
Ficha Técnica
Escrito e Dirigido por Rafael Ceribelli
Direção de fotografia de Gustavo Nakao
Trilha Sonora Original por Martim Fernandes
Som direto por Eduardo Lopes Touché
Production Design Marina Pires e Renata Cabrera
Montagem Rafael Ceribelli
Produção Executiva de Guilherme Peraro e Rafael Ceribelli
Produzido por Kinopus e ScriPitch

Sessão Kinopus é uma iniciativa independente da produtora Kinopus Audiovisual: o projeto conta com apoio do Sesi Cultura Paraná, e curadoria e produção dos cineastas Guilherme Peraro Rodrigo Grota. Criada em abril de 2015, a sessão tem como objetivo trazer a Londrina fimes que não entraram no circuito comercial, além de promover a exibição e reflexão sobre a produção local. Todas as sessões contam com entrada franca. A próxima SK, a edição n. 26, será realizada em março de 2018.

Mostra dedicada a Ingmar Bergman começa nesta terça, dia 19

Sesi Cultura Londrina, em parceria com a produtora Kinopus, promove de 19 a 22 de setembro de 2017 a Mostra Ingmar Bergman – Um Filme é um Rosto. Idealizada pelo cineasta Rodrigo Grota, a Mostra é composta por 10 filmes e tem como objetivo homenagear o cineasta sueco Ingmar Bergman (1918-2007), falecido há 10 anos (30 de julho de 2007).

Autor de mais de 40 filmes ao longo de sete décadas, Bergman conquistou os principais prêmios da história do cinema, incluindo o Oscar e as principais premiações nos festivais de Cannes, Berlim e Veneza. Com forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, Bergman realizou filmes centrados em temas como a ausência de Deus, a falência das relações afetivas, e os demônios internos dos seus personagens. Parceiro de atores como Liv Ullmann, Erland Josephson, Max von Sydow, Bibi Andersson, Gunnar Björnstrand, Harriet Andersson e Ingrid Thulin, construiu uma das obras mais sólidas da história do cinema, com destaque para a impecável construção visual dos seus filmes, em parte realizados com o habitual diretor de fotografia Sven Nykvist.

Mostra se inicia nesta terça, dia 19, com a exibição do filme Monika e o Desejo (1953), e se encerra na sexta, dia 22, com a exibição do filme Saraband (2003), a última obra dirigida pelo realizador sueco. A partir de quarta-feira, os filmes serão exibidos sempre em três horários: às 15h, às 17h e às 19h30. Na última sessão do dia haverá um bate-papo informal sobre os filmes com convidados especiais: a professora-doutora Bárbara Marques, da UEL, o pesquisador de Literatura e Cinema, Gustavo Ramos de Souza, da UEL; o curador da Mostra Buster Keaton, João Pedro Mussato; e o músico e crítico de cinema João Vitor Moreno, do site Pipoca Radioativa. A curadoria e apresentação dos filmes é do cineasta Rodrigo Grota, da produtora Kinopus. Todas as sessões contam com entrada franca. Confira abaixo a programação completa:

// Programação

Dia 19, terça

19h30
Monika e o Desejo (1953, 96 min)*
O jovem Henrik se apaixona perdidamente por Monika, a moça da quitanda. Após Henrik ser despedido do emprego, o casal decide se isolar de todos, fazendo uma idílica viagem de barco pelas ilhas de Estocolmo durante as férias de verão. Monika engravida e a viagem termina. Monika e o Desejo é um dos principais filmes da fase da carreira do Ingmar Bergman dedicada à reflexão sobre as relações amorosas da juventude. Classificação Indicativa: 16 anos.
*Após a sessão haverá um bate-papo com a professora-doutora Bárbara Marques 

Dia 20/09, quarta

15h
Noites de Circo (1953, 93 min)
No interior da Suécia, uma decadente companhia circense se prepara para um novo espetáculo. O diretor do circo, Albert, vive uma relação infernal com sua jovem amante, Anna. A situação piora quando ela se deixa seduzir por um ator local. Classificação Indicativa: 14 anos.

17h
O Silêncio (1963, 96 min)
Duas irmãs hospedam-se num hotel em um país europeu não-identificado à beira de uma guerra. A irmã mais velha e mais culta, Ester, tradutora de livros, é uma doente terminal. Seu medo da morte obscurece o relacionamento com a irmã mais nova, a bela Anna, que representa a parte carnal da dicotomia espírito/corpo. Anna negligencia o seu filho Johan, um garoto de cerca de 12 anos que vagueia pelo hotel quase deserto. Classificação Indicativa: 18 anos.19h30h
Através de um Espelho (1961, 89 min)*
A história se passa no período de 24 horas e mostra os acontecimentos que envolvem uma família de quatro pessoas, de férias em uma ilha. Todos estão ali após Karin, que sofre de esquizofrenia, ter recebido alta do sanatório onde estava internada. O marido de Karin, o médico Martin, conta ao sogro David que a doença da esposa é praticamente incurável. Enquanto isso, Minus, irmão adolescente de Karin, conta a ela sobre a falta de diálogo dele com o pai. David é um novelista atravessando um período de “bloqueio”. Ele reencontrara a família após um longo tempo de ausência, mas avisa que logo irá retornar a viajar. Com o passar do dia, a esquizofrenia de Karin se manifesta cada vez mais, afetando a todos na ilha. Classificação Indicativa: 18 anos.
*Após a sessão haverá um bate-papo com a pesquisador Gustavo Ramos de Souza

Dia 21/09, quinta

15h
A Hora do Lobo (1968, 90 min) O pintor Johan e sua esposa grávida, Alma, retiram-se para uma ilha isolada. Johan é consumido por demônios do passado e por constantes alucinações. Alma tenta ajudá-lo a manter a sanidade e controlar sua obra. Mas durante a escuridão entre a noite e o amanhecer, a chamada “hora do lobo”, os medos de Johan podem se concretizar… Classificação Indicativa: 18 anos.

17h
Vergonha (1968, 103 min) Para fugir da guerra, um casal de violinistas vive isolado numa ilha. Essa existência idílica acaba quando a casa deles é invadida por um grupo de soldados. Agora, eles terão de se defrontar com as misérias, a destruição e os horrores da guerra. Classificação Indicativa: 16 anos. Classificação Indicativa: 16 anos.

19h30
A Paixão de Anna (1969, 101 min)* Depois do fim do casamento, Andreas (Max von Sydow) passa por uma fase de isolamento emocional, então ele decide se mudar para uma ilha no meio do Mar Báltico. Lá ele conhece Anna (Liv Ullmann), que assim como ele está sofrendo, só que por causa da morte do marido e do filho, que também se chamava Andreas. Os dois tornam-se amantes, mas para ambos é difícil esquecer o que aconteceu anteriormente em suas vidas, e Anna começa a ser atormentada por uma série de delírios. Enquanto isso, a ilha passa por um momento ruim também: animais estão sendo encontrados brutalmente assassinados, o que choca a população, que acreditam haver um maníaco entre eles. Classificação Indicativa: 18 anos.
*Após a sessão haverá um bate-papo com João Pedro Mussato

Dia 22/09, sexta

15h
Depois do Ensaio (1984, 70 min) Num palco de teatro, depois do ensaio de sua nova montagem para O Sonho, de August Strindberg, um velho diretor teatral, Henrik Vogler, se recorda das antigas peças que dirigiu e de suas relações amorosas e familiares. Na sua obra mais confessional, Bergman reflete sobre o amor, a obsessão e a rejeição, desnudando seus personagens de forma perturbadora. No elenco, atuações primorosas de Erland Josephson (Cenas de um Casamento), Lena Olin (As Melhores Intenções) e Ingrid Thulin (O Rito). Classificação Indicativa: 16 anos.

17h
Na Presença de um Palhaço (1997, 119 min) Outubro de 1925. O engenheiro Carl Åkerblom, fervoroso admirador do compositor Franz Schubert, é internado em um hospital psiquiátrico em Uppsala. De seu quarto, ele alimenta o revolucionário projeto de inventar o cinema falado. Com a ajuda do professor ‘louco’ Osvald Vogler, o diretor Åkerblom improvisa uma história de amor contando os últimos dias de Schubert. Classificação Indicativa: 14 anos.

19h30*
Saraband (2003, 107 min)* Trinta anos após o divórcio, Marianne (Liv Ullman) impulsivamente decide visitar Johan (Erland Josephson) no seu isolado retiro no interior. Além da sua chegada, ela testemunha o relacionamento atormentado entre seu amargo ex-marido, seu odioso filho Henrik (Börje Ahlstedt) e uma neta de 19 anos, Karin (Julia Dufvenius). Incapaz de lidar com a recente morte de sua esposa, Henrik expressa seu sofrimento através de uma nada saudável obsessão com sua filha adolescente. Ignorando os protestos de seu filho, Johan oferece mandar a garota para um prestigiado conservatório de música, forçando Karin a escolher entre seu futuro promissor como uma violoncelista ou ficar com seu atormentado pai. Classificação Indicativa: 14 anos.
*Após a sessão haverá um bate-papo com o músico e crítico de cinema João Vítor Moreno

// Infos

MOSTRA INGMAR BERGMAN: UM FILME É UM ROSTO
De 19 a 22 de setembro de 2017
Local:  Centro Cultural Sesi – Associação Médica De Londrina (Praça 1º de Maio, 130, Centro – em frente à Concha Acústica)
Curadoria e Apresentação: Rodrigo Grota
Debatedores: Bárbara Marques, Gustavo Ramos de Souza, João Pedro Mussato e João Vítor Moreno
Realização: Sesi Londrina
Produção: Kinopus
Entrada franca em todas as sessões