Últimas vagas para Oficina com o diretor de fotografia Carlos Ebert, ABC

Restam poucas vagas para a Oficina que será ministrada pelo diretor de fotografia Carlos Ebert, ABC, em Londrina. A Aliança Francesa do Norte do Paraná, em parceria com a produtora Kinopus, promove o curso Qualidade na Captação Cinematográfica Digital entre os dias 6 e 10 de junho. A Oficina conta com 18 horas de duração, tem vagas limitadas, e será realizada entre terça e sexta (das 18h30 às 21h30); e sábado, entre 9h e 12h, e entre 14h e 17h, no estúdio da produtora NT Vídeo (Rua Raja Gabaglia, 374, Jardim Quebec, Londrina). As inscrições devem ser feitas na Aliança Francesa de Londrina (Rua Antonio Moraes de Barros, 44). Mais informações pelo telefone (43) 3324 7508.

Sobre o curso
O curso aborda Cinco tópicos da Captação DigitalResolução Espacial; Latitude e Resolução Radiométrica; Resolução Espectral; Resolução Temporal; e Compressão e Codecs. Esses tópicos quando entendidos conceitualmente e postos em prática em exercícios de captação permitem ao cameraman um resultado ótimo em qualquer situação. Cada tópico aborda os seguintes itens:

1) Resolução Espacial: Acuidade visual, teste de Snellen, função de transferência de modulação (MTF), transformações da MTF nas várias etapas da captação da imagem da objetiva à exibição. MTF e a percepção/cognição visual humana. As  descobertas de Otto Shade e a teoria unificada de análise e especificação da imagem. Analisando objetivas e sensores. Número de pixels e espaçamento entre pixels na resolução espacial de um sensor. CCDs X CMOSs. Conselhos práticos para a preservação da MTF na imagem final. 

2) Latitude e Resolução radiométrica: Nossa capacidade de perceber contrastes de luminância comparada à das câmeras. Conceito de curva de resposta à exposição. As três regiões da curva: altas médias e baixas luzes. Sistema binário de representação da informação. Rudimentos de aritmética binária. Bytes e bits. Profundidade de bit. A representação em 8 bits (256 níveis). Linear X logarítmico. Ajustando a latitude da câmera para cada uma das três regiões (altas, médias e baixas luzes).

3) Resolução espectral: O espectro da luz visível. Interações da luz com a matéria. O que é cor percebida? Sistema de cor aditivo (luz) e subtrativo (pigmento). O espaço de cor que percebemos X o espaço de cor captado pela câmera. Cores permitidas e cores ilegais. Representação da informação de cor nas câmeras digitais. Profundidade de bit e a captação e reprodução das cores. 3 sensores X 1 sensor com malha de Bayer. Formação da matriz de cor nas câmeras. Matrizes pré-setadas. Construindo uma matriz de cor. Alterações de saturação, temperatura de cor e hue nas câmeras.

4) Resolução Temporal: Como percebemos as imagens em movimento. Decomposição e recomposição do movimento em sequencias de imagens estáticas. Persistência retiniana, efeito Phi e fenômeno beta. Cadencias em vídeo. Alterações de cadência (camera rápida e camera lenta).

5) Compressão e Codecs: Volume de informação digital X processamento X armazenamento. O entrelaçamento como a primeira compressão temporal no vídeo. Informação RAW (4:4:4). Sub-amostragem de cor nos sistemas de vídeo digital (4:2:2, 4:2:0, 4:1:1 etc). A necessidade de compressão para viabilizar os formatos de captação em vídeo. Compressão com e sem perda de informação visual. Codecs baseados em DCT e em wavelets. Codecs intermediários para edição de video.

Sobre Carlos Ebert
Nascido a 26 de novembro de 1946 no Rio de Janeiro, Carlos Alberto de Azambuja Ebert teve a sua primeira experiência no set aos 20 anos como Fotógrafo de Still. Dois anos mais tarde Iniciou seu trabalho como Diretor de Fotografia para Cinema e Operador de Câmera no clássico O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla. Ebert também fotografou os longas Viagem ao Fim do Mundo (1969), de Fernando Campos (premiado em Locarno), Prata Palomares (1971), de André Faria (exibido em Cannes), O Rei da Vela (1983), de José Celso Martinez Correa; e mais recentemente os longas documentais Fé (1997) e Um Homem de Moral (2008), de Ricardo Dias, entre outros. Com os curtas Satori Uso (2007), Booker Pittman (2008) e Haruo Ohara (2010), de Rodrigo Grota, conquistou 3 Prêmios ABC de Melhor Fotografia. No Festival de Gramado, conquistou o Kikito de Melhor Fotografia com os curtas Carolina (2003), Satori Uso (2007) e Haruo Ohara (2010). Também dirigiu o longa-metragem República da Traição (1970).  Além de ministrar cursos, oficinas e palestras, Ebert também atua como consultor técnico, é Membro Fundador e Moderador da Lista da Associação Brasileira de Cinematografia, ABC; e desde 2010 retomou o cargo de Conselheiro da Cinemateca Brasileira. 

Qualidade na Captação Cinematográfica Digital, com Carlos Ebert
Quando – 6 a 10 de junho
Quanto – A inscrição tem o valor de R$ 400,00
Onde se inscrever – Aliança Francesa de Londrina (Rua Antonio Moraes de Barros, 44)
Onde será o curso – NT Vídeo (Rua Raja Gabaglia, 374, Jardim Quebec, em Londrina)
Mais informações pelo telefone (43) 3324 7508
Realização: Aliança Francesa do Norte do Paraná e Kinopus
Apoio Cultural: NT Vídeo

Advertisements

Estação Londrina recebe o fotógrafo Guilherme Gerais

intergalatico_guilhermegerais1

O projeto Estação Londrina recebe nessa quarta, dia 31, o fotógrafo Guilherme Gerais para comentar o fotolivro Intergalático, que ele lançou em 2014. A conversa, aberta ao público, será realizada na Divisão de Artes Plásticas da Universidade Estadual de Londrina a partir das 19h30 com entrada franca.

Formado em Artes Visuais pela Universidade do Norte do Paraná (Unopar), Guilherme Gerais Greca Barbosa nasceu em Londrina em 1987 e é também diretor de fotografia e designer. Desde 2007 ele fotografou 11 curtas (Celeste, Sylvia, O Castelo, O Violeiro de Lerroville, Califórnia Soul, Jardim Tókio, Parque Guanabara, Vila Portuguesa, Senhora L, Quando o Verde Toca o Azul e Hiato) e 4 médias (Andrea Tonacci, Mister H, O Nadador – A História de Tetsuo Okamoto e Ouro Verde: Memórias da Cidade do Café), além de ter fotografado o longa-metragem Leste Oeste. Um dos coordenadores gráficos da Revista Taturana (2007-2012), uma publicação independente sobre cinema, Gerais também coordenou o projeto gráfico de livros e catálogos de Mostras: Buster Keaton – O palhaço que não ri, Mostra Francis Ford Coppola, o Cronista da América, além de mostras sobre Abel Ferrara, Samuel Fuller, Surrealismo, Ken Jacobs e Cinema Pernambucano.

Lançado em setembro de 2014, o fotolivro Intergalático foi apresentado em eventos prestigiosos como o Paris Photo e foi premiado no Paraty Em Foco, um dos eventos mais importantes do Brasil. Produzido ao longo de 3 anos, o fotolivro foi patrocinado pela Prefeitura de Londrina via Promic e conta com ilustrações do artista gráfico Arthur Duarte.

Estação Londrina é um projeto coordenado pelo professor Frederico Fernandes do Departamento de Letras da UEL e tem como objetivo promover e discutir a produção cultural da cidade. Nas primeiras edições contamos com a presença dos jornalistas Tony Hara e Patrícia Zanin; o documentarista Fábio Cavazotti e o fotógrafo Saulo Haruo Ohara, que apresentou a obra do seu avô: Haruo Ohara (1909-1999).

A Dap Plásticas – Divisão de Artes Plásticas da UEL, palco dessa quarta edição, fica na Avenida JK, 1973, no centro de Londrina. O evento tem entrada franca e é aberto a todos os interessados.