Estação Londrina debate romances de Maria Angélica Constantino e José Maschio

A 11º edição do projeto Estação Londrina vai destacar a produção de dois autores londrinenses: a escritora Maria Angélica Constantino, autora do romance Pequena Londres, e o jornalista e escritor José Maschio, autor do romance Tempos de Cigarro Sem FiltroO encontro será realizado na próxima segunda-feira, dia 10 de setembro, a partir das 14h, na Sala 126 do Centro de Letras e Ciências Humanas (CLCH) da Universidade Estadual de Londrina (UEL). A mediação será de Frederico Fernandes, professor do Departamento de Letras da UEL e coordenador do projeto de pesquisa Estação Londrina. A entrada é franca e o evento é aberto a todos os interessados.

Sobre o romance Pequena Londres
Juliana é uma jovem londrinense de origem humilde. Viaja para o Rio de Janeiro com duas amigas, Liz e Amanda, onde conhece o misterioso Tom, um inglês que supostamente trabalha no hotel. Movida pela paixão se deixa envolver no que parecia ser um grande amor, mas ao se ver sozinha descobre que a vida não é o conto de fadas que imaginou. Pode o destino ser tão brincalhão ao ponto de unir duas pessoas que em condições normais jamais se encontrariam e, ao mesmo tempo, ser tão cruel a ponto de separá-las da maneira mais dolorosa possível? Um romance arrebatador com um final emocionante é o que promete Pequena Londres, que além de levá-los para os cenários mais badalados como Rio e Londres, o transportará também para a pequenina Londrina e o conduzirá por lugares pitorescos.

Sobre o romance Tempos de Cigarro Sem Filtro
Lançado pela editora Kan em agosto de 2017 em Londrina, a obra narra a história de Jaso e Maria, um casal unidos pela miséria. Jaso trabalha com dois garotos, Lozinho e Ruço, roçando mato e abrindo valas. Realizando trabalho de adultos, os meninos rapidamente abandonam a infância e experimentam as crueldades do mundo e das desigualdades sociais. Primeiro romance do jornalista José Maschio, a obra retrata o Brasil da década de 1970, período sombrio da ditadura militar que é mostrado através dos olhos de pessoas humildes, cidadãos simples levando suas vidas simples na periferia das cidades.

Sobre os autores
Maria Angélica Constantino é londrinense, casada e tem dois filhos. Teve uma infância humilde, mas venceu os desafios com o apoio da família, muito estudo, trabalho e fé. Formada em administração pela UEL, atua no ramo frigorífico, além de ser voluntária em alguns projetos sociais. Ama viajar, ler e escrever. Concluindo a terceira obra, hoje é a romancista londrinense que mais vende livros.

José Maschio é jornalista e escritor. Radicado em Cambé, no Norte do Paraná, Maschio trabalhou em diversos jornais sindicais e em grandes veículos de comunicação, como a Folha de S. Paulo, veículo para o qual colaborou por 2 décadas com enfoque em trabalhos investigativos. Maschio também tem experiência em outras linguagens: em 2014, teve um papel de destaque no longa-metragem Leste Oeste, do cineasta Rodrigo Grota.

Sobre o projeto Estação Londrina
Criado em 2016 sob a coordenação do professor e pesquisador Frederico Augusto Garcia Fernandes (Letras/UEL), Estação Londrina é um projeto de extensão da Universidade Estadual de Londrina, conta com recursos da CNPq, e tem como objetivo promover e discutir a produção cultural da cidade. De 2016 pra cá já foram realizados 10 encontros, discutindo temas relacionados à história, política, economia, literatura, cinema, fotografia, games e música de Londrina. Entre os convidados, participaram do projeto os jornalistas Tony Hara, Patrícia Zanin, Felipe Melhado e Fábio Cavazotti, os fotógrafos Saulo Haruo Ohara Guilherme Gerais, o cineasta Caio Júlio Cesaro, o professor canadense Tamer Thabet, as escritoras Beatriz BajoFlavia VercezeSamantha AbreuVi Karina e Vivian Campos, o escritor e jornalista Edson Maschio, os escritores Marcos Hidemi de Lima e Rogério Ivano, o professor catalão Diego Giménez, entre outros nomes da cultura local. Em todas as edições do projeto a entrada é franca.

Advertisements

Estação Londrina celebra os autores Marcos Hidemi e Rogério Ivano

A 10º edição do projeto Estação Londrina vai destacar a produção de dois autores londrinenses de ascendência japonesa: o poeta Marcos Hidemi e o escritor Rogério Ivano. No caso do poeta Marcos Hidemi, será lançado o livro Poesiar, editado pela Medusa. Ivano irá apresentar parte da sua produção de contos que pode ser lida em dois dos seus livros: Os Opostos se Distraem e Tantala – O Livro dos SuplíciosO encontro será realizado na próxima quarta-feira, dia 27 de setembro, a partir das 19h30, no Museu Histórico de Londrina, e conta com entrada franca. A mediação será de Diego Giménez e Frederico Fernandes, ambos professores e pesquisadores do Departamento de Letras da Universidade Estadual de Londrina.

Sobre Marcos Hidemi Marcos Hidemi de Lima é doutor em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e professor de literatura na graduação e no mestrado em Letras da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus de Pato Branco. Publicou o livro de poemas Dança de palavras e sons (AtritoArt), em 2005, com incentivo do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic) de Londrina. Pela Editora da Universidade Estadual de Londrina (EDUEL) publicou os livros sobre literatura Mulheres de Graciliano (2013), Várias tessituras (2015) e Os desvãos da ordem patriarcal (2017). Com aprovação do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (PROFICE) e patrocínio da Copel, publica, em 2017, o livro de poemas Poesiar (Medusa). Possui alguns poemas divulgados em antologias do gênero e nos sites Antonio Miranda, Cronópios e Blocos On Line. Escreve resenhas sobre literatura para o Rascunho (Curitiba) e crônicas semanais para o jornal Diário do Sudoeste (Pato Branco). Ainda em 2017, vai lançar o volume de artigos sobre literatura Escritos de parceria (Appris).

Poesiar
Poesiar (Medusa, 2017), de Marcos Hidemi, é um livro que dialoga com os autores modernos. Tal escolha presente em toda a produção poética do autor não deriva de simples influência, mas por um processo de contaminação, conforme anotou o poeta, jornalista e professor Vinícius Lima, que assina o prefácio do livro. Vinícius assinala, ainda, que “Poesiar é ação. O poeta transforma em verbo a própria poesia, como se querendo tirá-la da burocracia da vida burguesa mediada e terceirizada. […] Livro corajoso, que não tem medo de enfiar o dedo na ferida e apontar, com todo pessimismo do mundo, o tédio em que o homem se meteu”.

Sobre Rogério Ivano
Rogério Ivano é docente de História da Universidade Estadual de Londrina na área de Teoria e Metodologia, desenvolvendo pesquisas sobre história e memória. Na área de História publicou o livro de apoio “A Conquista do Sertão: Os Extremos da Fronteira Sertaneja”, juntamente com A. C. Ferreira; a dissertação do mestrado “Crônicas de Fronteira: Imagem e Imaginário de uma Terra Conquistada” e “Lavrador de Imagens – Uma Biografia de Haruo Ohara”, este junto com Marcos Losnak. Em Literatura publicou os livros de contos “Os Opostos se Distraem” e “Tantala – O Livro dos Suplícios”, além de trabalhos em revistas e sites literários, como Coyote, A Cigarra, Cândido e Projeto Releituras. Participou do curta metragem “Satori Uso”, do diretor Rodrigo Grota.

Sobre Diego Giménez Diego Giménez, doutor em  Filosofia e Letras pela Universidade de Barcelona. Desde 2016 está em Londrina para o seu Pós-Doutorado na Universidade Estadual de Londrina onde pesquisa sobre Fernando Pessoa e leciona a disciplina Teoria do Poema.

Sobre o projeto Estação Londrina
Criado em 2016 sob a coordenação do professor e pesquisador Frederico Augusto Garcia Fernandes (Letras/UEL), Estação Londrina é um projeto de extensão da Universidade Estadual de Londrina, conta com recursos da CNPq, e tem como objetivo promover e discutir a produção cultural da cidade. De 2016 pra cá já foram realizados 9 encontros, discutindo temas relacionados à história, política, economia, literatura, cinema, fotografia, games e música de Londrina. Entre os convidados, participaram do projeto os jornalistas Tony Hara, Patrícia Zanin, Felipe Melhado e Fábio Cavazotti, os fotógrafos Saulo Haruo Ohara eGuilherme Gerais, o cineasta Caio Júlio Cesaro, o professor canadense Tamer Thabet, as escritoras Beatriz BajoFlavia VercezeSamantha AbreuVi Karina e Vivian Campos, o escritor e jornalista Edson Maschio, entre outros nomes da cultura local. Em todas as edições do projeto a entrada é franca.

Museu Histórico de Londrina fica na Rua Benjamin Constant, 900, no centro de Londrina. O evento tem entrada franca e é aberto a todos os interessados.